Autor: admin

Conheça aqui algumas dicas e conselhos simples, mas valiosos, que o podem ajudar a conhecer e gerir melhor os seus investimentos e a estar mais informado e preparado para suportar eventuais riscos. Faça um orçamento. Determine o montante a investir tendo em conta as suas necessidades pessoais, bem como possíveis imprevistos que possam surgir. Estude as características de cada produto. Faça um plano de Investimentos. Defina os objetivos pretendidos, os prazos e os limites de investimento (ganhos e perdas). Diversifique as suas aplicações para não estar exposto ao risco de apenas um ativo, ou de um reduzido número de ativos.…

Ver mais

Existem produtos financeiros que são designados de complexos (PFCs) porque é mais difícil perceber o seu risco. Sob a aparência de um instrumento financeiro único, o produto financeiro complexo pode incorporar riscos e características de dois ou mais instrumentos financeiros diferentes. Uma das características mais comuns dos PFCs é o facto de oferecerem uma rentabilidade incerta que, geralmente, depende da evolução do preço de outros ativos (por exemplo, ações, cabazes de ações, índices, matérias-primas, entre outros).O leque de produtos financeiros complexos é vasto e vai mudando ao longo do tempo. Eis, alguns exemplos: Os produtos duais, que compreendem dois ou…

Ver mais

Existem muitos produtos financeiros diferentes, com níveis de complexidade, prazos de investimento, risco e rentabilidade distintos. Nem todos os produtos financeiros são adequados a qualquer investidor, pelo que cada intermediário financeiro deve oferecer ao cliente apenas os serviços e produtos financeiros adequados ao seu perfil. Para isso, é definido um perfil de investidor, que tem em consideração, nomeadamente, a experiência de investimentos passada, os conhecimentos em matéria de investimentos, os conhecimentos quanto aos riscos associados aos diferentes tipos de produtos e a apetência pelo risco, nomeadamente, qual a perda máxima que o investidor está disposto a assumir (todo o investimento,…

Ver mais

Certamente que já terá ouvido esta máxima quando se fala em investir ou saber investir: “Não coloque os ovos todos no mesmo cesto”. Diversificar os seus investimentos é a melhor forma de reduzir o risco. Se distribuir o capital por vários tipos de produtos financeiros, que não estejam perfeitamente correlacionados entre si, conseguirá: Promover a sua estabilidade financeira; Potenciar a rentabilidade dos seus investimentos; Proteger o seu património. Vamos a um exemplo concreto: se tiver 50 mil euros para investir e decidir aplicá-lo todo em ações, se essas ações desvalorizarem, todo o seu investimento irá desvalorizar. No entanto, se dividir…

Ver mais

Quando constitui um investimento, o ideal é procurar sempre obter a maior rentabilidade para o menor risco possível mas nem sempre esta é uma equação fácil ou possível de atingir. Regra geral, para obter maiores rendimentos, terá de assumir maiores riscos. No entanto, existem vários tipos de ativos com igual retorno potencial mas com níveis de risco diferentes. Deverá procurar os ativos financeiros que tenham a melhor relação entre retorno e risco, bem como conjugar várias aplicações, para que, através da diversificação, possa reduzir o risco global em que incorre. É importante ainda ter presente que o facto de um…

Ver mais

Antes de investir, informe-se junto do seu banco sobre como adequar os investimentos aos seus objetivos específicos e perfil de risco. Tenha em conta, nomeadamente, se pretende um produto de capital garantido, qual o prazo do investimento, a rentabilidade esperada, se valoriza ou não a mobilização antecipada e se pretende uma maior ou menor dispersão em vários tipos de produtos. Se desejar maior rentabilidade, por norma o investimento deve ser direcionado para o médio/longo prazo. Normalmente as maiores rentabilidades estão associadas a prazos mais longos e a menor liquidez (possibilidade de aceder ao dinheiro com maior rapidez). Se optar por…

Ver mais

Poupança (ou aforro) é a parcela do rendimento que não é gasta no período em que é recebida, devendo, por isso, ser guardada para ser usada num momento futuro. Normalmente, a poupança tem associado um benefício, denominado taxa de juro, ou seja, um rendimento que se recebe porque se adia o consumo, ou porque se poupa para um determinado objetivo. Fique a conhecer aqui alguns dos aspetos a que deve estar atento na gestão da sua poupança, como a rentabilidade, a garantia do capital investido ou a liquidez – a necessidade de ter o dinheiro disponível no momento em que…

Ver mais

Conseguir que o dinheiro estique até ao final do mês é, para muitas famílias, é uma verdadeira ginástica e malabarismo orçamental. O que dizer então quando ainda se tenta constituir alguma poupança? Para muitos, a missão parece verdadeiramente impossível! A verdade é que poupar, não passa só por conseguir ter dinheiro a mais no final do mês. Pode ser possível poupar adotando novos hábitos ou comportamentos, de modo a reduzir custos. Aqui ficam algumas dicas para quem acha que é impossível poupar nem que seja 1 euro por mês. Elabore um orçamento familiar. Para saber onde pode poupar, é essencial…

Ver mais

Existem muitas opções e planos de poupança, ajustadas a cada família e individuo. Aquela que é a melhor opção de poupança para o seu amigo, não tem que ser necessariamente a solução ideal para si. Analise bem quais são as suas disponibilidades atuais e quais as suas necessidades futuras e ajuste o prazo de investimento às suas necessidades de liquidez ao longo do tempo. As opções de poupança, em termos de prazo, podem variar entre curto, médio e longo prazo. Poupanças de curto prazo podem durar até 1 ano, por exemplo, para uma viagem. Poupança de médio prazo, de 2…

Ver mais

Despenda algum tempo a analisar, discutir e decidir o melhor para as suas poupanças de acordo com o seu perfil de investidor. Avalie se o produto financeiro é de capital garantido no vencimento e leia os folhetos obrigatórios dos produtos, para recolher informação sobre o risco e rendibilidade das aplicações, entre outras condições (comissões e custos de subscrição e resgate). Caso a leitura destes folhetos lhe suscite dúvidas, não hesite e fale com o seu banco. Procurar aconselhamento junto do banco Seja qual for o seu objetivo de poupança, peça aconselhamento junto do seu banco para esclarecer todas as dúvidas…

Ver mais